Os principais cuidados com a cadela no cio

Deixá-la sadia e feliz é uma tarefa muito importante que deve ser cumprida pelos donos da fêmea

 

Donos de cadelas já sabem: uma ou duas vezes por ano, elas entram no cio e só uma castração de cachorros pode evitar esse acontecimento. Durante esse período, a sua companheira fica um pouco diferente do que você está acostumado, e é preciso cuidar muito bem dela.

O cio das cadelas é semelhante à menstruação das mulheres. Ele tem a função de preparar o animal para uma gestação, com a diferença de que a cadela só engravida durante esse período, que dura até 21 dias.

Esse processo faz com que a cachorra sangre e também tenha seu comportamento alterado. Ela pode ficar mais dengosa, mais agitada ou na defensiva, portanto, é preciso se dedicar aos cuidados.

Reconhecendo o cio

O principal sintoma é o sangramento. Você perceberá até que sua pet se lambe mais que o normal, como se quisesse limpar a região genital, além de urinar com mais frequência.

No entanto, fique atento: nem todas as cadelas sangram. Esse é o chamado cio silencioso ou cio seco, em que, apesar da ausência do sangramento, elas ficam férteis. O caso é mais frequente nas cadelas mais velhas, mas se a sua não entrar no cio até o primeiro ano de vida, ela pode apresentar um cio desse tipo.

Quando a cadela está no cio, a sua vulva fica visivelmente inchada e mais escura do que o normal. Muitas delas andam com a cauda levantada ou arqueada para o lado, especialmente quando estão na presença de um cão macho.

Elas também podem sofrer com desconfortos abdominais durante o período de fertilidade. Nesse caso, ela apresentará tremores no corpo, sensibilidade na barriga e irritabilidade – sintomas que desaparecem gradualmente, na maioria dos casos sem a necessidade de medicamentos.

Entre as mudanças comportamentais que as cadelas podem apresentar, estão a agitação a carência. Elas podem, inclusive, começar a aprontar pela casa, mesmo que não estejam acostumadas a fazer isso. As cadelas costumam ficar na defensiva, como se estivessem preparadas para se proteger de eventuais riscos para si e para possíveis filhotes.

Se você tem cães machos convivendo com a cadela no cio, eles também podem apresentar um comportamento atípico. Eles tendem a tentar acasalar com a fêmea e a uivar durante a noite, e os cachorros da vizinhança podem passar a frequentar o seu portão.

Os cuidados

Tantas mudanças e novidades naturalmente deixará a sua companheira estressada. A situação vai exigir dos tutores paciência e dedicação para que ela desfrute de bem-estar e continue saudável durante todos esses dias.

Um dos principais cuidados é pegar leve com a desobediência. Se ela aprontar alguma coisa, corrija, mas não exagere na repreensão, isso só intensificará seu comportamento e a deixará triste.

Quanto ao sangramento, a recomendação é deixar a cadela à vontade para eliminar o sangue e se limpar. Se necessário, limite o espaço ocupado por ela e desautorize quando ela quiser subir no sofá, por exemplo.

No entanto, visando a conveniência dos tutores, há fraldas específicas para esse período, permitindo que ela circule livremente sem sujar a casa. A fralda deve ser trocada de tempos em tempo e, de vez em quando, a cadela deve ficar sem esse item para que possa fazer a higienização da vulva, urinar e defecar.

É importante lembrar que o uso da fralda não impede que a fêmea cruze com o macho! Um cão não castrado é capaz de retirar a proteção e ter acesso ao órgão reprodutor feminino, portanto, a supervisão da interação entre os pets é obrigatória se você não deseja uma gravidez canina.

A separação da cadela no cio pode ser necessária. Além do interesse sexual dos machos, devido aos hormônios, outras fêmeas podem causar uma briga. Se isso precisar ser feito, ofereça mais carinho e muito conforto para o animal que ficar no espaço restrito.

O banho na cachorra também pode ser realizado normalmente, sobretudo se ela estiver suja ou se o sangramento for abundante. Você só precisará de mais cuidados, pois a cadela estará mais sensível. Alguns pet shops não aceitam cadelas no cio, pois a experiência pode ser ainda mais estressante para elas.

A melhor forma de evitar o cio

A castração de cachorros é a única forma segura de acabar definitivamente com o cio das fêmeas.

E ainda, esse procedimento cirúrgico é capaz de evitar uma série de doenças graves, como tumores e câncer. A castração também ajudará sua companheira a estabilizar o humor, já que não haverá mais tantas mudanças hormonais. Além disso, o sangramento vai embora de vez, assim como as chances de uma gravidez.

Para obter mais benefícios para a saúde e para o comportamento animal, a castração pode ser feita assim que a fêmea atinge sua maturidade sexual. Isso ocorre por volta do quinto ou sexto mês de vida, embora animais mais velhos também possam ser submetidos à cirurgia.

O procedimento consiste na retirada do útero e dos ovários de forma indolor, rápida e altamente segura. Em até 15 dias após a castração, ela já estará correndo feliz pela casa.

A castração de cachorros machos também é indicada pelos veterinários. Dessa forma, eles não irão se aproximar de fêmeas que estão no cio, evitando gerar filhotes indesejados para outro dono e controlando a população canina.

A realização do procedimento nos machos também ajuda a prevenir diversas doenças relacionadas ao sistema reprodutor do pet. Além disso, pode ajudar os tutores a eliminar maus comportamentos, como marcar território e “subir” na perna das visitas.

%d blogueiros gostam disto: