PASSANGERS: Tudo na vida é Passageiro(s)?

Tudo na vida é passageiro, piada infame, eu sei mas não poderia deixar de usá-la pois cabe a situação. Estive hoje no Boulevard Shopping para assistir com exclusividade ao filme Passageiros dirigido por Morten Tyldum e estrelado por Jennifer Lawrence e Chris Pratt, e no elenco ainda tinha Michael Sheen, Laurence Fishburne, Andy García. Poxa vida pensei, esse filme tem tudo pra ser o novo Star Wars… desculpa, exagerei, eu sei! Mas, olha esse elenco!

Fui feliz sentar na minha poltrona, com uma expectativa a mil

O filme começou bem, tudo certo, imagina uma fotografia excelente, com efeitos especiais de dar inveja na série 3%, ops, isso é papo para outra resenha, então vamos nós manter apenas em Passageiros. A história é basicamente assim, deu ruim na terra, aliás, já está dando a muito tempo, não pense você que todos esses esforços pra encontrar um planeta parecido com o nosso pela NASA é atoa, segundo minhas loucas teorias da conspiração essa migração em massa já está rolando.

 


E o filme trata justamente disso, ele se passa em um futuro onde a colonização em outro planeta já é algo comum, a tecnologia é avançada a ponto de fazer as pessoas hibernarem, por 120 anos, que é o tempo de duração da viagem a esse novo planeta. Não vamos entrar no mérito do que leva as pessoas a migrarem, pagar alto preço por esse serviço e nem sequer saber se as coisas deram certo lá no novo planeta. Mas algo inesperado dá errado nesse percurso.

 


Sim! Nosso Senhor das Estrelas acorda (sacaram a referência né), depois 30 anos de viagem, ou seja, faltavam 90 anos, a nave toda automática, todos programados para acordar faltando 4 meses para 120 anos, mas justamente com ele, algo dá errado. Bom, resta então viver os resto da minha vida em uma nave, muito do chique demais da conta, maaaaas, no final tudo se resume a tédio, como estar preso em uma fábrica de bacons, não, não da pra comparar, bacon não enjoa. São mil metros quadrados de confinamento, rodeado de 5 mil pessoas hibernando, solitário Jim Preston (Chris Pratt), precisava de espaço pra pensar em tudo aquilo, (risos) espaço, era o que ele mais tinha naquele momento (risos eterno)! Agora imagina, você está la no meio daquele problema, tendo a oportunidade de acordar alguém pra ficar contigo, você vai chamar as rolezeiras do seu bairro?

 

Claro que não! É obvio que vou acordar Jennifer Lawrence, pãozinho de leite condensado!

 

Acontece vários lances depois, muito love, uma novela, mas resumindo, o filme tem uma boa fotografia, um puta elenco, tinha tudo pra ser um ótimo filme, pois a ambientação favorece e o inicio da história da margens para outras costuras ainda mais sensacionais, mas a verdade é que não passa de um romance no espaço, com algumas intrigas típicas de comedia romântica apesar de não ser. E tudo isso pode ser culpa das estrelas (hahahahah não poderia fechar sem essa) ou do roteirista que não foi muito feliz nesse filme. Até a próxima pessoal!

 

Sam Matos

Sou designer, CEO da Agência Aldeia Thisam, estudante de arquitetura na maior parte do dia e escritor quando dá!

%d blogueiros gostam disto: