Tudo sobre as doenças respiratórias em cães e gatos

As doenças respiratórias em cães e gatos são frequentes no clima frio e seco. Tome cuidado com seus pets nesta época do ano

Os animais de estimação são muito parecidos com os donos, não apenas no temperamento, mas também nos problemas de saúde desenvolvidos. Os pets reagem de maneiras adversas à temperatura e ao clima seco e ficam mais suscetíveis a doenças respiratórias, que podem ser evitadas.

Dias secos e frios prejudicam o revestimento das mucosas, o que pode debilitar a saúde canina e felina, pois aumentam os riscos de sintomas típicos de doenças respiratórias, como a respiração rápida, superficial e ofegante, desânimo, falta de apetite, tosse seca e corrimento nasal.  E são diferentes doenças que costumam ameaçar a saúde dos cachorros e dos gatos durante esse período do ano.

Como responsáveis, os proprietários dos pets devem oferecer condições para que eles não adoeçam. Além da vacinação e check up em dia, cuidados extras e simples podem evitar o problema e garantir a qualidade de vida dos cães e gatos durante toda a estação. Saiba com o que se preocupar e a melhor forma de prevenir:

Gripe

Transmitida principalmente pelo vírus H3N8 nos cães e pelo Herpesvírus nos gatos, a contaminação ocorre devido ao contato com as secreções, como, por exemplo, quando o cão está brincando com outro ou quando um gato espirra perto de outro.

Filhotes e idosos são os alvos mais frequentes da doença, mas todos os animais podem ser portadores por até dez dias, mesmo que não apresentem os sintomas. Os sinais são parecidos com a gripe humana e incluem tosse, coriza, espirros e febre, sintomas que não acometem os donos. O diagnóstico do veterinário e o tratamento adequado devem ser feitos o mais rápido possível (especialmente no grupo de risco), pois a doença pode causar complicações graves.

Pneumonia

A pneumonia em cães e gatos é uma doença tão perigosa quanto para os humanos, que precisa de tratamento rápido para não levar à morte. Muitas vezes, ela é uma evolução de doenças como a gripe e a cinomose. A pneumonia provoca a inflamação dos brônquios e pulmões devido à contaminação por vírus, bactérias, fungos ou protozoários.

Por isso, levar o animal a uma clínica veterinária é essencial para diagnosticar o tipo de contágio e providenciar o tratamento adequado, além de caprichar na alimentação para que os nutrientes ajudem a aumentar a imunidade dos bichos. Para identificar a doença no seu animal de estimação, fique atento a tosse, espirros, secreções no nariz, febre, respiração dificultada ou acelerada, falta de apetite e letargia.

Tosse dos canis

A traqueobronquite, popularmente conhecida como “tosse dos canis” é uma infecção exclusivamente canina que costuma acontecer quando há aglomeração de cães, como é o caso dos canis, escolinhas e hoteizinhos. Ela é transmitida pelo ar ou pelo contato direto entre os animais e, se o sistema imunológico do pet estiver frágil, como no caso dos filhotes ou dos idosos, essa doença respiratória pode acometer facilmente o seu cachorro.

Como o próprio nome já diz, o principal sintoma da doença é a tosse, seca e duradoura. Se ela for causada por um vírus, em até 20 dias ela sumirá naturalmente. No entanto, quando a doença é causada por bactéria, é essencial que o veterinário prescreva um antibiótico para ajudar no tratamento.

Asma

A asma é uma inflamação severa das vias respiratórias que acomete mais os gatos, mas os cachorros também podem ser vítimas, principalmente na velhice. Os brônquios ficam comprimidos, dificultando a passagem de ar e causando sintomas como a dificuldade respiratória, respiração rápida e ruidosa e tosse persistente.

Na maioria das vezes, a asma é causada por fatores externos, como contaminação do ambiente pela poluição, fumaça de cigarro, mofo e ácaros ou até mesmo pela areia ou pelos produtos de limpeza utilizados nos locais em que o animal frequenta. Seu pet pode apresentar uma crise de asma, que dificulta a respiração e pode causar sufocamento devido à falta de oxigênio, mas algumas vítimas da doença apresentam crises amenas, como uma tosse ocasional.

O tratamento consiste em, basicamente, descobrir quais são os fatores que atacam o animal e eliminá-los do ambiente. Se isso não for possível, um especialista pode indicar corticóides e broncodilatadores, que podem ser administrados em casa.

Evitando doenças respiratórias em cães e gatos

  • Sempre verifique se o calendário de vacinação do seu animal está em dia. As vacinas auxiliam a reforçar o sistema imunológico dos pets e previnem algumas das doenças típicas do inverno, como a tosse de canil e a gripe. Fale com seu veterinário, pois há situações em que os animais não devem ser vacinados.

  • No clima seco, é importante que o pet fique hidratado. Se você deixa água fresca e limpa disponível o tempo todo e percebe que ele não está ingerindo uma boa quantidade, use uma seringa para colocar o líquido na boca dele, mas com cuidado. Gatos naturalmente bebem menos água, mas uma ração úmida pode ajudar a equilibrar o consumo diário.

  • Se o animal tiver que ficar em uma escolinha ou hotelzinho, certifique-se de que todos os hóspedes estão vacinados e não apresentam sintomas de doenças respiratórias, já que grande parte é transmitida pelo ar ou pelo contato direto.

%d blogueiros gostam disto: