Vida acadêmica II-Tirei nota baixa

Isso não significa que você será um péssimo arquiteto. A faculdade de arquitetura tem uma carga horária muito puxada. Ao longo da faculdade temos que desenvolver vários projetos e ainda  ter aulas teóricas o que significa  um carga de leitura considerável.  Arquitetura, diferente do que as pessoas pensam, não é só fazer desenho. É um curso que exige muita dedicação.

Tanto que muito estudantes ficam esgotados emocionalmente e desenvolvem diversos  problemas psicológicos. Acredite fazer um projeto é criar um espaço que envolve tempo e dedicação. No final todo estudante ama o seu projeto   que qualquer mudança pode ser um abalo.  Nisso os professores são mestres, alteram seu projeto sem pensar duas vezes. Mas isso faz parte do processo de aprendizagem. No mercado iremos encontrar projetos  em que o cliente demanda diversas mudanças. O que você faz? Diz não para ele?

Estamos acostumados a pensar que os processos de projetos, são lineares e não são. Os projetos  são cíclicos em que cada mudança é testada  e caso não dê certo é preciso voltar ao passo anterior. Você já esteve na situação em que o professor sugeriu mudar o seu projeto e na semana seguinte, com o projeto alterado, ele  achou ruim a mudança. O professor estava testando seu projeto.

Muitas vezes ficamos frustrados, pensamos que o projeto não é mais nosso  e  fazemos o projeto por fazer. Por isso vem a nota baixa, mas isso não significa que você será péssimo arquiteto.  Se você consegue debater e expor suas ideias de maneira clara, justificando suas escolhas de projeto , seu professor já olha com outros olhos, mesmo que ele não concorde com suas escolhas.

No fundo é tudo parece uma batalha de egos, onde o estudante se vê ofendido e frustrado com as mudanças de projeto, pois já se considera o próximo Niemeyer e o professor  que as vezes tenta a todo custo implantar o seu modo de projetar para os estudantes.

Se eu pudesse dar um conselho seria  para se acalmar e registrar todo o processo de projeto para que você consiga expor suas ideias e mostrar que o seu projeto tem algum sentido de ser como é. Mas para isso é preciso estudo, ter uma boa bagagem de projetos e  saber solucionar, implantação, insolação, disposição interna, ventilação. Para assim ter um debate saudável, afinal projeto não é só desenho.

Rogério Guimarães

Um cara comum, arquiteto urbanista, 24 anos, mineiro e apaixonado por arquitetura e urbanismo e gosto de compartilhar essa paixão meio louca com vocês.

%d blogueiros gostam disto: